“… me dê sua tristeza, que lhe dou minha alegria.”

Ariano Suassuna

2021 iniciou e aprendizados significativos seguem revelando-se, bem como as práticas de “bem-estar”  continuam marcando presença efetiva na vida de uma parcela da humanidade. Mas, certamente, não deve estar sendo fácil manter-se emocional ou fisicamente bem, afinal de contas o mundo assiste atônito, por exemplo, a ausência de compaixão em certos ambientes. E o que fazer diante de tanta dor, tantas perdas?

O poder para decidir o caminho a seguir está em suas mãos. Você pode, simplesmente, passar o dia sendo tocada/o por notícias desagradáveis, sofrer em silêncio, ou pode decidir olhar ao seu redor e promover o bem-estar de “suas pessoas”, ser presença na vida de quem perdeu alguém ou, quem sabe, realizar ações que diminuam a dor de outrem. Obviamente, para cuidar do outro, precisamos, em primeiro lugar, cuidar de nossa paz respirando fundo e compreendendo que este deserto nos ajuda a ressignificar cada dor sentida, cada perda vivida. E não é fácil ressignificar, na realidade é um ato de coragem e de fé. Deus, em sua infinita bondade, nos dá o poder de decisão, porque praticamente tudo está em nossas mãos.

Ele mostra a realidade e nos permite escolher o caminho. A tempestade apresenta-se e decidimos  se iremos mergulhar na dor ou cuidar de nossos espaços, de nossas pessoas, de nossa paz. Ele nos presenteou com a vida, o ar, o mar, a água e, em nosso corpo, desenhou todas as conexões necessárias para que possamos nos movimentar, pensar, agir, interagir, ser feliz.  Ele sempre nos dá sinais de que podemos viver, por tempo indeterminado, o sofrimento ou promover a paz, o amor, a compaixão, alteridade por onde passarmos, compreendendo que a felicidade, por exemplo, pode ser percebida como uma jornada permeada de altos e baixos, por desertos que nos fazem crescer. Tudo está em nossas mãos. 

Enfim, escolhemos nossas pessoas, o caminho que nos trará paz, escolhemos nosso trabalho, nosso lugar no mundo, nossas parcerias. E, embora o estado de felicidade seja uma experiência subjetiva, é na relação com o outro, na vivência da compaixão, na união, na vida simples e na essência do ser que a mágica do sentir-se feliz acontece, porque, no final, as escolhas estão, quase sempre, em nossas mãos. E, nessa jornada, eu escolho ser feliz apreciando os dias sem pressa, em comunhão, em paz, em família, com as pessoas que escolhi para compartilhar esse espetáculo maravilhoso chamado vida… porque tudo está em nossas mãos…

6 thoughts to “Em nossas mãos…

  • Keila Lima Leite

    Excelente reflexão!
    Estamos vivenciando tanta dor, que, para muitos, parece ser mais fácil ficar alheio ou fizer: Não tem jeito.
    Porém, temos que ser representativos de forma positiva na vida das pessoas.
    Cada um/ Cada uma fazendo sua parte, teremos mudanças, sim.

    Responder
    • Flavita Conceição

      Sim, Keila! Se cada um/a fizer sua parte, teremos mudanças significativas. Gratidão pelo comentário e fraterno abraço!

      Responder
  • Themis

    Podemos escolher nosso caminho!

    Responder
    • Flavita Conceição

      É isso aí!! Fraterno abraço!

      Responder
  • Lucia

    Isso mesmo Flavia. Estamos vivendo dias difíceis, com situações, muitas vezes, contrárias aos nossos hábitos e costumes, exatamente para não concordarmos com elas. Urge sermos diferentes, indulgentes, complacentes, fratemos e solidários.
    Assim, um dia, seremos felizes!
    Grande abraço.

    Responder
    • Flavita Conceição

      Lucia, obrigada pela reflexão! Sigamos! Fraterno abraço!

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *